Capital Trabalho

SindusCon-SP orienta associados sobre a pandemia do coronavírus

Também foi disponibilizado folheto ilustrativo para canteiros de obras de associados

Por Daniela Barbará e Rafael Marko 20/03/2020 08:36:54

Em função das medidas recomendadas pelo Ministério da Saúde para enfrentar a pandemia originada do novo coronavírus, o SindusCon-SP, por meio de seu presidente, Odair Senra, elaborou uma série de sugestões que as empresas podem adotar de imediato em relação à empresa e seus canteiros de obra. A mensagem foi enviada aos associados no dia 16 de março.

Entre as medidas para a empresa estão: reduzir o contingente de pessoal na obra e no escritório por um período mínimo de 15 dias, começando por pessoas acima de 60 anos (com ou sem home office, dependendo do caso), funcionários com direito a férias, portadores de doenças crônicas como diabetes e deficiências pulmonares, mulheres grávidas etc; orientar os funcionários que apresentarem febre, dor de garganta, tosse, coriza e dificuldade de respirar a procurar imediatamente a UBS ou a UPA mais próxima, entre outras.

Já para o canteiro de obra, sugere-se limitar o número de pessoas trafegando nos elevadores fechados (até 2 colaboradores) e nas cremalheiras (até 4); aumentar o número de turnos no café da manhã, no almoço e nos banhos, para evitar aglomerações; orientar os funcionários a higienizarem com frequência as mãos e os EPIs, entre outras.

A íntegra da mensagem segue abaixo:

MENSAGEM DO PRESIDENTE

Coronavírus: Construtoras devem tomar medidas imediatas

Prezado (a) Associado (a):

Em função das medidas recomendadas pelo Ministério da Saúde para enfrentar a pandemia originada do novo coronavírus, o SindusCon-SP apresenta abaixo uma série de sugestões que as empresas podem adotar de imediato. São elas:

Para toda a empresa

– reduzir o contingente de pessoal na obra e no escritório por um período mínimo de 15 dias, começando por pessoas acima de 60 anos (com ou sem home office, dependendo do caso), funcionários com direito a férias, portadores de doenças crônicas como diabetes e deficiências pulmonares, mulheres grávidas etc.;

– disponibilizar álcool gel e higienizar leitores de biometria, catracas etc.;

– implementar o uso de termômetros nas portarias, liberando ao trabalho apenas os trabalhadores que não apresentem alteração;

– orientar os funcionários que apresentarem febre, dor de garganta, tosse, coriza e dificuldade de respirar a procurar imediatamente a UBS ou a UPA mais próxima;

– dar orientações com folhetos, cartazes e palestras para pequenos grupos sobre prevenção;

– realizar o mínimo de reuniões e fazer as que forem estritamente necessárias em locais abertos, com larga separação entre as pessoas;

– evitar o uso de ar condicionado;

– estudar soluções que evitem o transporte público dos colaboradores ou os exponham aos horários de pico: vans para equipes mínimas, expediente encerrando-se às 15 h etc.;

– identificar as atividades mínimas a serem mantidas e o pessoal estritamente necessário para realizá-las, e o que pode ser feito fora da empresa;

– utilizar meios virtuais para comunicações e remessa de documentos, evitando contatos pessoais;

Especificamente para os canteiros:

– limitar o número de pessoas trafegando nos elevadores fechados (até 2 colaboradores) e nas cremalheiras (até 4);

– aumentar o número de turnos no café da manhã, no almoço e nos banhos, para evitar aglomerações;

– orientar os funcionários a higienizarem com frequência as mãos e os EPIs;

– determinar aos gestores de contratos e aos subcontratados que notifiquem qualquer afastamento que ocorrer por suspeita da doença.

Certamente estas e outras medidas ajudarão a preservar a saúde dos colaboradores e familiares, manter a continuidade das atividades e colaborar para que a pandemia não se espalhe rapidamente e ameace de colapso o sistema público de saúde.

Cordialmente,

Odair Senra

Presidente do SindusCon-SP

Comitê de Tecnologia e Qualidade (CTQ) do SindusCon-SP

 

Canteiro de obras

O SindusCon-SP disponibilizou no dia 17 de março para seus associados a arte de um folheto para que a empresa o imprima e distribua aos trabalhadores nas obras. A intenção é descrever minuciosamente os cuidados a serem tomados pelos trabalhadores da construção civil e familiares, na prevenção da Covid-19 ocasionada pelo coronavírus.

A realização da ação é do SinduCon-SP e Seconci-SP e conta com o apoio da Abrainc e do Secovi-SP. Para acessar a arte do folheto, clique aqui.









Horário de atendimento

seg-qui 08h00 às 18h00

sex 08h00 às 12h00

Rua Drº Bacelar, 1.043 | 5º andar

Vila Clementino,

São Paulo-SP,

04026-002

Tel (11) 3334-5600

sindusconsp@sindusconsp.com.br



Horário de atendimento

seg-qui 08h00 às 18h00

sex 08h00 às 12h00

Rua Drº Bacelar, 1.043 | 5º andar

Vila Clementino,

São Paulo-SP,

04026-002

Tel (11) 3334-5600

sindusconsp@sindusconsp.com.br