Setor de Habitação Popular define metas de atuação para 2021 

Rafael Marko

Por Rafael Marko

Setor de Habitação Popular define metas de atuação para 2021 

Reunião conjunta virtual dos Comitês de Habitação do SindusCon-SP (CHP) e do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), em 9 de dezembro, definiu as metas de atuação do setor de construção de habitação popular das entidades para 2021. A reunião foi coordenada por Ronaldo Cury, vice-presidente de Habitação do SindusCon-SP, e por Rodrigo Luna, vice-presidente de Habitação Econômica do Secovi-SP, com a participação de representantes de mais de 30 empresas.

Os temas prioritários a serem tratados com prefeitos eleitos, Secretarias de Habitação do Estado e dos Municípios e com o Graprohab (Grupo de Análise e Aprovação de Projetos Habitacionais do Estado de São Paulo) serão desburocratização e agilização dos licenciamentos e planejamento urbano, com aperfeiçoamentos em Planos Diretores e Leis de Zoneamento. Adicionalmente, também haverá reuniões com a Caixa e a Secretaria Nacional de Habitação, com vistas à implementação do Programa Casa Verde e Amarela.

Ronaldo Cury reforçou a necessidade de uma atuação estadual e regional com os prefeitos eleitos, com a organização de comitês de habitação nas Regionais. Ele considerou que problemas como o desabastecimento de insumos e a alta de preços de materiais de construção tendem a se normalizar, com aumento da produção dos fornecedores e a demanda se limitando às edificações residenciais.

João Claudio Robusti, ex-presidente do SindusCon-SP e representante da entidade junto à Fiesp, congratulou-se com a atuação política do setor neste ano, que conseguiu realizar suas atividades virtualmente. Ele manifestou a preocupação de que o segmento sofra em 2021 com fatores como desequilíbrio fiscal, contaminação de trabalhadores pela Covid-19, extinção da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano), desabastecimento e alta de preços de materiais.

Rodrigo Luna opinou que a pior fase dos insumos já passou e que a cotação do dólar está caindo, tirando a pressão de alta das commodities. Entretanto, lembrou que a renda das famílias caiu e o desemprego aumentou, obrigando as empresas a uma ginástica para adequarem a produção habitacional à nova realidade. Ele ainda comentou que não fazem mais sentido exigências de municípios no interior em relação a metragem de unidades habitacionais, coeficiente de aproveitamento e vagas de garagem, encarecendo custos.

Manifestações e otimismo em relação ao desempenho do setor em 2021 foram feitas por Marcos Camargo, conselheiro do SindusCon-SP, e Floriano de Azevedo Marques, integrante do CHP e ex-secretário municipal de Habitação de São Paulo. Camargo mencionou dificuldades de orçamentação, uma vez que a inflação dos materiais de construção está acima daquela apontada pelos indicadores. Azevedo Marques relatou que o mercado está reagindo bem em cidades menores, com a renda de famílias se recuperando. Ele reforçou a importância de reuniões com os prefeitos eleitos e os novos secretários municipais de Habitação.

Balanço 

No início do encontro, Cury apresentou um balanço positivo dos resultados das reuniões conjuntas realizadas em 2020. Entre os participantes, compareceram: o então secretário Municipal de Habitação de São Paulo, João Farias (fevereiro); o diretor de Habitação da Caixa, Matheus Sinibaldi (março); Sinibaldi novamente, o superintendente Executivo da Caixa, Alexandre Cordeiro, e o superintendente Nacional, Rodrigo Wermelinger (abril); o superintendente regional do Incra, Edson Alves Fernandes (maio); o coordenador de Clientes Corporativos da Enel, Silvio Duarte Junior, e o gerente de Crédito Imobiliário do Banco do Brasil, Guilherme Patrício (junho); Lacir Baldusco, presidente do Graprohab (agosto); Robert Costa, superintendente Nacional de Varejo da Caixa (setembro); Alfredo dos Santos, secretário Nacional de Habitação, e Henriqueta Alves e Abelardo Campoy, membros do Conselho Curador do FGTS (outubro); Celia Poeta, diretora da Cetesb, e Lacir Baldusco, do Graprohab (novembro), Flávio Amary, secretário de Estado da Habitação (outubro), e Flávio Prando, assessor da Sehab (novembro).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que você precisa saber.
As últimas novidades sobre o mercado,
no seu e-mail todos os dias.

Skip to content