Crédito imobiliário cresce 11,8% em agosto 

Rafael Marko

Por Rafael Marko

Crédito imobiliário cresce 11,8% em agosto 

Os financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) atingiram R$ 21,01 bilhões em agosto de 2021. O montante foi 11,8% maior que o registrado em julho e, comparado a agosto do ano passado (R$ 11,72 bilhões), cresceu 79,2%. Os dados são da Abecip (Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança).

Nos primeiros oito meses de 2021, o montante financiado somou R$ 136,84 bilhões, alta de 107,7% em relação a igual período de 2020. No acumulado de 12 meses, entre setembro de 2020 e agosto de 2021, foram contratados R$ 194,92 bilhões, alta de 100% em relação ao período anterior.

Unidades financiadas 

Foram financiados em agosto de 2021, nas modalidades de aquisição e construção, 90,3 mil imóveis, resultado 11,3% superior ao de julho. Comparado a agosto de 2020, houve alta de 128,6%. O número de 90,3 mil unidades foi o maior em um único mês.

De janeiro e agosto de 2021 foram financiados, com recursos da poupança do SBPE, 589,42 mil imóveis, resultado 148,7% superior ao de igual período do ano passado. Com este número, o período de janeiro a agosto foi o melhor na série histórica pós Plano Real.

No período de 12 meses, entre setembro de 2020 e agosto de 2021, foram financiados com recursos da poupança 779,17 mil imóveis, resultado 119,8% superior ao do período precedente (354,47 mil unidades).

Poupança volta a cair 

A captação líquida da poupança SBPE de agosto voltou para o campo negativo (-R$ 5,4 bilhões), após dois meses de resultado positivo.

A partir de 1994, em pouco mais de metade dos meses de agosto, o resultado da poupança foi positivo, o que não se verificou em 2021.

Com isso, a captação líquida acumulada no ano, entre janeiro e agosto, continua negativa (-R$ 19,3 bilhões).

A captação líquida negativa reduziu o saldo da poupança SBPE em agosto para R$ 794,5 bilhões, queda de 0,4% em relação a julho. Comparado a agosto do ano passado, houve alta de 3,6%.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que você precisa saber.
As últimas novidades sobre o mercado,
no seu e-mail todos os dias.

Skip to content