CECarbon é apresentada em encontro nacional da construção 

Rafael Marko

Por Rafael Marko

CECarbon é apresentada em encontro nacional da construção 
Lilian Sarrouf, Coordenadora técnica do Comasp e Gestora do ABNT CB002

A CECarbon, ferramenta de cálculo de consumo de energia e emissão de gases de efeito estufa na construção, foi apresentada por Lilian Sarrouf, coordenadora técnica do Comasp (Comitê de Meio Ambiente) do SindusCon-SP, em oficina sobre o tema dentro do Enic (Encontro Nacional da Indústria da Construção), em 19 de outubro.

Desenvolvida pelo SindusCon-SP junto com a Agência Alemã para a Cooperação Internacional (GIZ), a CECarbon leva em consideração o ciclo de vida dos insumos da obra, desde a sua exploração até o momento do seu uso na fase construtiva. A ferramenta visa contribuir com a gestão dos impactos climáticos e do consumo energético das obras, possibilitando desde a fase de projeto fazer escolhas mais assertivas. Irá permitir a padronização de métricas e premissas e a consolidação consistente de dados entre empresas e outros atores do segmento,

“Os objetivos são formar uma base de dados para o setor de edificações no Brasil, a fim de possibilitar a comparabilidade entre obras de mesma tipologia e a integração com os procedimentos do setor público e privado. Para 2022 em diante, vamos potencializar o uso da ferramenta a nível nacional”, afirmou Lilian.

Daniel Wagner, assessor técnico da GIZ, destacou que não havia no Brasil meios acessíveis de cálculo de emissões de carbono e consumo energético. “Não se pode gerir o que não se pode medir. E a CECarbon é uma ferramenta de projetos, não somente de medição, para facilitar a gestão da obra”, destacou.

Wagner reforçou que a ferramenta é online, dinâmica, confiável e gratuita. Segundo ele, a iniciativa alcança seis dos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU: energia limpa e acessível; indústria, inovação e infraestrutura; cidades e comunidades sustentáveis; consumo e produção responsáveis; ação contra a mudança global do clima e parcerias e meios de implementação.

Sustentabilidade e habitação  

Atualmente 40% dos domicílios do país precisam de algumas adequações na construção e infraestrutura, segundo Rhaiana Bandeira Santana, coordenadora-geral de Desenvolvimento Institucional do Departamento de Articulação e Planejamento da Secretaria Nacional de Habitação no Ministério do Desenvolvimento Regional.

Segundo Rhaiana, o governo tem ampliado os projetos de sustentabilidade com a inclusão de requisitos para a certificação de construtoras em todos os estados. Os avanços preveem redução de desperdícios e de geração de resíduos, análise do destino dos resíduos, e atualização dos regimentos do setor, entre outros pontos para reduzir a emissão dos gases sem perder a eficiência do desenvolvimento habitacional e de saneamento no país.

A oficina “Transição para uma economia sustentável: calculadora de consumo energético e emissões de carbono” foi mediada por Nilson Sarti, presidente da Comissão de Meio Ambiente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CMA/CBIC), entidade realizadora do Enic.

“Nós da CBIC temos um compromisso de incentivar a redução da emissão de carbono. Temos que defender essa agenda e proteger o nosso futuro e o futuro do planeta”, comentou Sarti.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que você precisa saber.
As últimas novidades sobre o mercado,
no seu e-mail todos os dias.

Skip to content